A Eckzem investe no varejo

O produto com dupla face termocolante ajuda a fazer a bainha do jeans, dispensando a costura

A proximidade com o consumidor garante o tom das coleções da marca de Goiânia

Com o lançamento da coleção do verão 2007, que chega este mês às lojas multimarcas, a Eckzem reforça a estratégia de atuar também no varejo. Atualmente, a empresa conta com quatro lojas em Goiânia (GO), onde está instalada. No início do próximo ano, prevê a abertura da primeira loja fora da capital goiana, em Brasília. Mais três serão abertas até o final de 2007, segundo os planos traçados. As escolhas mais prováveis serão cidades de Minas Gerais e do interior de São Paulo.

 

A marca, que nasceu em 1992 como confecção de camisetas, mudou o perfil há três anos quando abriu a primeira loja própria para venda no varejo. “Foi quando vimos que era preciso fazer alterações para ter produto diferenciado em relação à concorrência”, lembra Gicelmo Vieira, que junto com três irmãos fundou e administra a Eckzem. O mix de produtos ficou maior. Além das camisetas, camisas e cuecas, a marca incluiu na linha uma coleção de calças e bermudas em índigo e sarja (denominada de jeans), além de bonés, óculos, meias, mochilas e calçados (tênis e sandálias), de modo a vestir jovens homens, de 15 a 25 anos, dos pés à cabeça.

 

 

Gicelmo (de preto) com o irmão Wanderlei 

 

A proximidade com o consumidor acelerou as mudanças. As camisetas incorporaram alterações de estilo, com a inclusão de efeitos de lavanderia. As calças seguem as tendências da moda. O desenvolvimento de toda a linha de produtos é feito por equipe própria, de modo a manter a identidade da marca, acrescenta Vieira. A Eckzem terceiriza a parte de confecção e acabamento das camisetas e da linha jeans. Por razões estratégicas, a parte de beneficiamento está concentrada na lavanderia Brisa, que fica em Goiânia. Os demais itens são contratados em regime de PL (private label), parceiros que produzem as peças com a marca da empresa.

 

Velocidade

 

Por mês, a Eckzem comercializa de 70 mil a 80 mil peças, entre cerca de 200 itens, escoados pelas quatro lojas de varejo e uma rede de 2 mil clientes multimarcas. A linha jeans responde por metade da receita. Vieira, contudo, não divulga investimento nem faturamento. Para o novo catálogo, foram selecionados 50 looks.

 

O desenvolvimento privilegiou a modelagem fit, com camisetas e camisas mais justas e curtas. Também ganharam efeitos de lavagens mais intensos. “Todas as peça têm, pelo menos, três técnicas”, salienta o executivo. As calças continuam com as cinturas baixas e beneficiamentos de sobreposição de técnicas de estonagem, lixamento, zíperes, jateados localizados, aplicações, entre outras. Outra novidade é a substituição das etiquetas tipo couro por silks brancos.

 

O xadrez aparece em camisas, que recebem beneficiamentos em lavanderia para quebrar a sisudez, e num modelo de calça. “Para rejuvenescer a peça, depois de cortada, optamos por espatular (passou tinta por cima), depois fechar e enviar para a lavanderia realizar o mesmo

 tipo de acabamento usado em geral para o jeans – lixado, com pins, esgarçado, com jato de permanganato. O xadrez ganhou cara de jeans”, explica Vieira. O pano de fundo da nova coleção é o mundo da velocidade, recorrendo à moto

Harley Davidson como símbolo – um dos modelos abriu o desfile em cima de uma.