Dinâmica prevê crescimento de 15%, em 2006

Lavanderia de Maringá pretende investir em automação no próximo ano

 

A lavanderia Dinâmica, localizada em Maringá no Paraná, vai fechar o ano com 15% de crescimento, tanto em receita quanto em número de peças. O proprietário e diretor geral da beneficiadora de jeans, Luiz Eduardo Borin Gonçalves, prevê nível de expansão semelhante em 2007.

A empresa tem 12 anos de vida. A produção começou com 10 mil peças beneficiadas por mês e, hoje, gira em torno de 250 mil. O número de funcionários cresceu de 12 para 250. O parque industrial tem 20 mil metros quadrados, sendo 4,5 mil de área construída. Entre seus clientes estão Cantão, Lado Avesso, Sawary, Suez, TNG, Vide Bula e Zara.

A criação da lavanderia aconteceu sem conhecimento prévio do proprietário sobre o setor. “Eu sempre gostei de usar jeans e pensei que seria interessante atuar na área”, conta Gonçalves, que se formou como engenheiro agrônomo e não quis entrar no ramo em que sua família atuava.

A lavanderia faz parte do grupo CN Ingá, também de propriedade de Gonçalves em parceira com outros sócios, que existe desde 2000 e controla as confecções Camisaria Nacional (marca adquirida em 1998), Convicto (jeans e camisetas), Sideral (malharia), além de uma indústria de embalagens de plástico.

 

Investimento – As máquinas funcionam 24 horas por dia, seis vezes por semana. Para manter o ritmo constante, o diretor explica que sustenta a empresa em quatro pilares: qualidade, produtividade, diferenciação e aplicação dos lucros internamente. “A pessoa física só é rica se a pessoa jurídica também for”, diverte-se.

A criatividade e a diferenciação ficam a cargo da área de desenvolvimento de produto. A equipe faz duas viagens ao exterior anualmente. Além da moda, aprende como desenvolver as lavagens. “Em 90% dos casos os clientes pedem sugestões de tonalidades”, relata Gonçalves. A lavanderia mantém um showroom onde mostra uma média de 100 criações por coleção.

A produtividade e a qualidade estão baseadas no investimento constante em tecnologia de maquinário e no treinamento semanal de pessoal. Além do constante aperfeiçoamento, os funcionários também contam com psicólogas para orientá-los e ajudá-los se necessário. “È preferível trabalhar para manter um funcionário do que gastar com o treinamento de um novo empregado”, argumenta Gonçalves.

O investimento na empresa em 2006 foi cauteloso. “O mercado pouco aquecido não permitiu investimentos agressivos. No momento estamos em compasso de espera”, desabafa. Mesmo com cenário estático o proprietário estima um crescimento de 10 a 15%.

Em 2007, a intenção é aumentar o faturamento para manter o mesmo ritmo de crescimento e só, então, almejar números maiores. Entre os planos para o ano que vem também está a compra de robôs que fazem, por exemplo, aplicação de resina, permanganato, e ampliar a atuação na área de malharia.

“No mercado hoje não existe mais tendência, e sim, atender clientes que se encaixem no serviço que oferecemos. No momento, as confecções buscam um visual vintage, que exige trabalhos diferenciados e processos manuais”, salienta Gonçalves.

O itinerário da Dinâmica inclui três estados, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. A companhia conta com uma frota própria de dez caminhões para realizar a logística, e em função do valor do frete, acaba limitando a distância máxima entre cliente e lavanderia. Outros estados são atendidos mediante negociação.