Varejo de moda termina o ano em baixa

A pesquisa mensal de comércio do IBGE mostra que as vendas do segmento despencaram devido à alta base de comparação de 2017

O varejo de vestuário, tecidos e calçados terminou 2018 em baixa. O volume de vendas do segmento caiu 1,6%. De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), o resultado do setor despencou devido à alta base de comparação de 2017. A avaliação é que o varejo de moda em 2017 foi “beneficiado, em grande parte, pela liberação dos recursos livres vindo do FGTS, fator que não esteve presente ao longo de 2018”, diz o relatório da pesquisa, divulgada na manhã desta quinta-feira, 13 de fevereiro.

A receita nominal das lojas de moda também caiu, porém, em patamar menos severo que o de volume de vendas, quase tendendo à estabilidade (-0,1%). Essa diferença entre volume e receita indica que ao longo do ano, o varejo de vestuário, tecidos e calçados conseguiu levemente reajustar preços. No ano, os resultados foram puxados para baixo sobretudo em dezembro, quando o volume recuou 3,7% e a receita diminuiu 3,3%, anulando por completo os avanços obtidos em novembro, mês impulsionado pelas vendas da Black Friday.

Também o comércio em geral encolheu em dezembro, depois da forte alta verificada no mês anterior. Em volume de vendas, a redução foi de 2,2% e em receita, o recuo foi de 3,4%. No acumulado do ano, porém, os resultados do varejo de moda contrastam com o crescimento registrado pelo comércio. Segundo a pesquisa do IBGE, em volume, o comércio brasileiro cresceu pelo segundo ano consecutivo, com aumento de 2,3%, e a receita nominal subiu 4,8%, acima da inflação anual de 3,75%, mostra a pesquisa.

COMPORTAMENTO DAS VENDAS NO ESTADO

Dos 12 estados que são destaque na PMC, o desempenho ficou dividido ao meio no acumulado do ano. Na metade cujas vendas caíram, os três estados que mais sofreram perdas em relação a 2017 foram: Distrito Federal, Paraná e Pernambuco. Entre os que cresceram, como previsto ao longo do ano, se sobressaíram Rio Grande do Sul e Espírito Santo.

Rio Grande do Sul foi o estado cujo varejo de moda mais cresceu em 2018:
10,4% em volume e 10,3% em receita.

Distrito Federal foi onde as vendas do varejo de moda mais caíram no país:
-9,9% em volume e -5,6% em receita.