Setor têxtil terá novo incentivo do BNDES

Governo vai destinar R$800 milhões em financiamentos

 

O Ministro do Trabalho, Luiz Marinho, anunciou ontem durante a reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social que o setor têxtil também poderá dispor da linha de crédito que já beneficia indústrias de calçados, móveis e máquinas agrícolas. A determinação é fruto de reivindicações do setor, que exige medidas que auxiliem as pequenas e médias empresas afetadas pela valorização do real ante o dólar. O governo vai destinar R$ 800 milhões via o BNDES.

 

O banco também anunciou que o limite do cartão BNDES foi ampliado de R$ 100 mil para R$ 250 mil e poderá ser usado como capital de giro para financiar a compra de matéria-prima e equipamentos pelos setores têxtil e de confecções. A instituição financeira pretende ampliar políticas operacionais para atender outros segmentos industriais, a exemplo das linhas de crédito especiais que, hoje, contemplam as indústrias farmacêuticas e de software com apoio aos investimentos em inovação tecnológica.

 

No Brasil, o setor têxtil é o segundo maior gerador de empregos do país, com um quadro de 1,65 milhão de trabalhadores – só perde para a construção civil. Em 2005, o faturamento do setor foi US$ 32,5 bilhões. Para 2006, a expectativa ainda é incerta em função da alta taxa de juros, afirma a ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil).