Produção de têxteis evolui em maio

A de vestuário ficou estável, enquanto a indústria brasileira de modo geral registrou o segundo mês seguido de crescimento.

Os resultados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), mostram um cenário mais positivo para a indústria como um todo. Revelam um ganho de ritmo que se espalhou pelos 17 dos 24 ramos monitorados pelo estudo, reconhecem os técnicos do IBGE, advertindo, porém, que ainda estão longe de representar trajetória consistente de crescimento. Pelo segundo mês consecutivo, a produção industrial como um todo evoluiu, registrando em maio aumento de 0,8%.

A indústria de produtos têxteis cresceu bem acima dessa média, a taxa de 2,7%, puxada sobretudo pela fabricação de roupas de cama (colchas, cobertores, lençóis), informa a pesquisa do IBGE. A produção de vestuário ficou estável, depois de duas quedas seguidas. Ajudou nessa estabilidade o aumento da confecção de peças de malha para adultos e bebês, camisas e blusas femininas.

SOBRE MAIO DE 2017
A comparação com igual mês de 2016 também mostra evolução no ritmo da indústria brasileira que como um todo avançou 4%, um dos melhores índices para o mês desde 2011. Confecções de roupas estão entre os setores que mais cresceram no confronto com maio de 2016, mediante alta de 11,1%. O crescimento da indústria de produtos têxteis foi de 9,5%, diz o IBGE.

Exceto pela queda de produção em abril frente a igual mês de 2016, os setores têxtil e de vestuário esboçam reação de expansão desde dezembro.