Produção da confecção avança 2,7%, em março.

Pesquisa do IBGE divulgada nesta sexta-feira, 3, mostra que as têxteis, ao contrário, reduziram levemente o ritmo industrial em 0,4%.

Depois de janeiro, em que a queda de produção foi de 5,8% sobre dezembro, a atividade industrial entre as confecções volta a avançar a taxas menores. Em fevereiro, a expansão fora de 3,8% e, em março, foi de 2,7%, bem acima da média global. Março é o dado mais recente divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apurado pela Pesquisa Mensal Industrial de Produção Física, cujos resultados anunciou nesta sexta-feira, 3, no Rio de Janeiro (RJ).

Depois de dois meses consecutivos de crescimento da produção, a indústria têxtil retrocedeu ligeiramente. A pesquisa do IBGE aponta recuo de 0,4%, ante expansão de 1,5%, em janeiro, e de 3,2%, em fevereiro. Comparando o acumulado do primeiro trimestre de 2013, com o resultado registrado em igual período do ano passado, a equipe do instituto mostra queda da produção física de 7,1%, nos dois segmentos. O setor industrial brasileiro, como um todo, encerrou março com alta de 0,7%.