Inflação de moda perde força em abril

Pesquisa do IPCA, do IBGE, mostra que reajustes do segmento ficaram abaixo da inflação oficial brasileira que atingiu 0,57%.

Apesar da alta, a inflação brasileira desacelerou em abril, com taxa menor que a apresentada em março (0,75%). Os preços na ponta do varejo subiram 0,57% em abril. Não foi diferente com o comércio de moda. A inflação de moda avançou 0,18% em abril em relação ao mês anterior. Ficou, assim, bem abaixo do índice geral para o mês e inferior ao reajuste de moda em março (0,45%). As roupas pressionaram o índice da atividade, uma vez que caíram os preços de calçados, joias e bijuterias, mostra a pesquisa que calcula o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

O aumento foi maior nas roupas infantis, que subiram 0,64% em abril, aponta o levantamento do IBGE. Em seguida, estão os reajustes das roupas femininas, que aumentaram 0,64% sobre março. As roupas masculinas também ficaram mais caras, subindo 0,28%. Os tecidos foram reajustados em 0,23%. A queda em joias e bijuterias foi de 0,87% e os preços de calçados e acessórios caíram 0,15% de um mês para o outro.

Em abril, a inflação brasileira foi pressionada pelos aumentos dos itens em saúde (1,51%), sobretudo por causa de remédios e das mensalidades dos planos de saúde. Também foi afetada por transporte (0,94%), devido principalmente aos reajustes do preço da gasolina; e pela cesta de alimentação e bebidas (0,63%).

ACUMULADO DE JANEIRO A ABRIL

Dessa forma, a inflação oficial brasileira acumula alta de 2,09%, de janeiro a abril, quase metade da meta estabelecida pelo governo de 4,25% ao ano. No caso de moda, a queda de janeiro e fevereiro mais a desaceleração em abril levaram a recuos em relação aos quatro primeiros meses de 2018, em todos os itens da atividade. A maior queda recaiu sobre o segmento de roupas femininas, que viu os preços despencarem 1,77% no acumulado do ano.

Sobre o ano passado, de janeiro a abril de 2019, os preços das roupas infantis caíram 0,19% e das masculinas menos 0,05%.

A mesma comparação mostra que em calçados e acessórios os preços diminuíram 0,96%; e em joias e bijuterias o recuo foi 0,77%. O preço dos tecidos ficaram estáveis, mostra a pesquisa do IBGE.

DESEMPENHO DA MODA EM 16 CAPITAIS

O comportamento dos preços de moda não foi uniforme nas 16 capitais que são destaque da pesquisa para cálculo da inflação oficial. Sete cidades apresentaram preços em queda em relação a março. Os maiores recuos estão em capitais do norte e nordeste: Rio Branco (-0,70%); Recife (-0,67%); e Aracaju (-0,51%). Maior mercado do país, a cidade de São Paulo apresentou redução de 0,15% sobre março nos itens de moda.

As demais 11 capitais reajustaram os preços para cima em abril. Três delas, tiveram aumento acima de 1%. Foi o caso do Rio de Janeiro (+1,43%); de Vitória (+1,37%); e do Distrito Federal, (+1,43%).