Indústria recua nas contratações

Em relação a agosto de 2012, o maior corte foi verificado na área têxtil, embora vestuário também tenha reduzido as vagas ocupadas.

Ao anunciar os resultados da pesquisa mensal sobre nível de emprego e salário no Brasil, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontou queda do pessoal ocupado no setor industrial como um todo de 0,6% em relação a julho. Em comparação a agosto de 2012, o recuo foi maior, alcançando 1,3%. Nesse intervalo, a indústria têxtil encolheu os postos de trabalho em 0,70% e as confecções de vestuário, em 0,60%. O confronto com agosto de 2012 mostra, ainda, que a folha de pagamento das têxteis encolheu 0,20%, enquanto a das confecções aumentou 0,70%, mesmo com os cortes.

O balanço de agosto do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) revela que o Brasil criou 127 mil postos de trabalho entre todas as atividades. Avaliadas como uma categoria única, a indústria têxtil e de vestuário contribuiu com a criação de 2,84 mil vagas em agosto, segundo a pesquisa, cujo resultado divulgado não contempla as informações declaradas fora do prazo. No mês passado, o saldo do setor foi negativo com o corte de 699 postos, demonstra a pesquisa.