Indústria reage e produz mais

Depois de forte alta em janeiro e fevereiro, o setor têxtil modera o ritmo de expansão em março, ao passo que vestuário registra pequeno aumento.

Pelo terceiro mês consecutivo, a indústria brasileira de produtos têxteis amplia a produção. Em relação a fevereiro, a expansão de março de 1,20% indica que o setor diminuiu a velocidade de reposição das perdas de 2015. Já as confecções de vestuário mantiveram o ritmo de sobe-e-desce observado desde o ano passado. No primeiro trimestre de 2016, em janeiro produziu mais, em fevereiro conteve o ritmo e em março subiu pouco, com alta de 0,5%.

O aumento de produção dos dois setores acompanha a média da indústria em geral que, em março, avançou 1,4% em relação a fevereiro, mostram os dados da pesquisa mensal realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para medir o compasso da produção nacional. Segundo o levantamento, o maior avanço foi verificado na indústria de bens de consumo, com alta de 3,2%. Metade dos 24 ramos pesquisados apresentou variação positiva em relação a fevereiro, informa o levantamento.

Mesmo com a reação de março, a indústria ainda está produzindo em ritmo bem menos intenso do que mantinha no ano passado. A análise comparando o desempenho revela que a produção industrial entre todos os ramos ainda está 11,4% abaixo do volume de março de 2015. O freio do setor têxtil ficou acima desse patamar, com retração de 15,7%. O desempenho das confecções mostra variação negativa de 8,6%.


fonte: IBGE