Importação têxtil cai e de vestuário sobe

Segundo dados da Funcex, outra surpresa foi o aumento da exportação de tecidos que chegou a 80% em relação a março de 2011

Em março, o comportamento do volume de importação dos setores ligados diretamente a matérias-primas mostrou desaceleração e mesmo queda, quando comparado ao mesmo período do ano passado. No caso dos setores têxtil, calçados e vestuário, os especialistas apontam a influência da operação Maré Vermelha, pela qual a Receita Federal intensificou a fiscalização, com verificação física das mercadorias desembarcadas.



Mas, Rodrigo Branco, economista da Funcex (Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior), avalia que os motivos dessa variação não são claros, pois, os dados ainda são recentes. Ele explica que os dados mostram a desaceleração da importação no segmento de vestuário (continua a subir, mas, a taxas menores) e a queda dos importados no segmento têxtil. Pesquisa publicada em abril pela entidade revela que a importação têxtil caiu 21,1%, enquanto a indústria de confecção de acessórios e vestuário fez o movimento inverso, com crescimento das importações de 19,3%, sobre igual período do ano passado.

Surpresa também no volume de exportação. Juntamente com a área petrolífera, a indústria têxtil nacional foi uma das que apresentaram valores positivos em comparação a março de 2011, aumentando o valor da exportação em 80,7%, atingindo em março US$ 208 milhões. De janeiro a março, o valor das exportações foi de US$ 594 milhões. Também a área de confecções de artigos de vestuário e acessórios apresentou crescimento das vendas externas, mas em patamar bem inferior, chegou a apenas 5,2%, registrando faturamento de US$ 19 milhões. No primeiro trimestre, a exportação dessa área correspondeu a US$ 45 milhões.

No plano interno, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), a produção industrial na área têxtil cresceu 6,6%, em abril, enquanto a de vestuário sofreu queda de 7,2%.