Déficit do setor têxtil cai em agosto

Depois da forte alta registrada em julho, recuo foi influenciado pelo impulso das exportações e queda das importações.

Após dois meses em alta, o déficit do setor têxtil caiu em agosto. Ainda que permaneça negativo, o saldo de US$ 306,29 milhões é o menor do ano. Sobre julho, quando o déficit do Brasil subiu, a queda foi de 25,5%, como revelam os dados da pesquisa realizada mensalmente pelo ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O recuo no saldo negativo deveu-se basicamente ao aumento das exportações, que somaram US$ 173,18 milhões, puxadas pelo expressivo aumento das vendas de algodão que corresponderam a US$ 95,44 milhões.

A queda em importação foi pequena, de 9,36%, para US$ 479,48 milhões em agosto, quando comparada à forte expansão observada em julho, mês em que as compras totalizaram US$ 528,99 milhões, e aos US$ 432 milhões, de junho. As roupas continuam a responder pela maior fatia das compras, chegando em agosto a US$ 192,39 milhões, caindo 4,73% em relação aos US$ 201,95 milhões, do mês anterior.

Fibras e filamentos sintéticos ou artificiais representam outros dois itens a pesar na balança, com internação conjunta equivalente a US$ 162,19 milhões em agosto. Dos 14 produtos monitorados, apenas quatro aumentaram o valor importado em relação a julho. Os outros dez diminuíram em agosto, contribuindo para a redução de quase 10% sobre a importação registrada no mês anterior.