Até maio, importações crescem 4,77%.

Participação do vestuário cresce no bolo das compras em geral, faltando pouco para responder por metade do déficit do setor.

Mesmo tendo diminuído o ritmo de crescimento, as importações de vestuário continuam a pressionar a balança comercial do setor. De janeiro a maio, o vestuário em geral importou mais 6% (até abril havia sido 8%), quando comparado ao volume de compras no mesmo período do ano passado, de acordo com levantamento realizado mensalmente pelo ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Os itens do vestuário somaram US$ 1,15 bilhão (preço FOB) em importação nos cinco primeiros meses do ano, elevando o déficit comercial no quesito para US$ 1,09 bilhão, que correspondem a 47% dos US$ 2,3 bilhões de saldo negativo acumulado pelo setor no período.

No mesmo intervalo do ano passado, vestuário correspondia a 52,7% do déficit total do setor. Ainda em 2014, outro segmento que pressiona o déficit são os filamentos sintéticos e artificiais que até maio acumulavam compras avaliadas em US$ 649 milhões. De modo geral, entre fios, fibras, tecidos, vestuário e outros artefatos têxteis, o setor importou US$ 3,03 bilhões, aumento de 4,77%, em relação aos primeiros cinco meses de 2013.

Em contrapartida, as exportações continuam caindo, ampliando o rombo na balança comercial. De janeiro a maio, foram embarcados o equivalente a US$ 734,6 milhões, ante os US$ 958 milhões em igual intervalo de tempo no ano passado. As vendas externas de algodão sustentam boa parte desse comércio, contribuindo com US$ 293 milhões, mostra o levantamento do Mdic. Dessa forma, o déficit do setor cresceu 18,6% em relação aos US$ 1,9 bilhão registrados entre janeiro e maior de 2013.